As Cinquenta Sombras mais negras !! Só sai em Outubro, mas aqui está o prologo para vos aguçar o apetite!!

Prólogo

Ele está de volta. A mamã dorme, ou então está doente outra vez.

Escondo-me, encolhido debaixo da mesa da cozinha.Consigo ver a mamã através dos meus dedos. Está a dormir no sofá. A sua mão toca no tapete verde pegajoso, e ele está a usar as suas grandes botas de fivelas brilhantes, ao pé da minha mãe a gritar.

Bate na mamã com um cinto.

– Levanta-te! Já! Não passas de uma cabra marada! Não passas de uma cabra marada! Não passas de uma cabra marada! Não passas de uma cabra marada!

Ouço a mãe a soluçar.

– Pára. Por favor pára! – ela não grita, apenas se encolhe.

Tapo os ouvidos com os dedos e fecho os olhos. Silêncio.

Ele volta-se, e posso ver as suas botas quando entra na cozinha. Ainda trás com ele o cinto, e está a tentar encontra-me.

Ele pára e sorri. O seu cheiro é nojento, a cigarros e bebida.

– Aqui estás tu, sei pedaço de merda!

Um arrepio gelado acorda-o. Meu Deus!

Está encharcado em suor, e o coração bate descontroladamente. Que caraças?

Senta-se hirto na cama e deita a cabeça sobre as mãos.

Voltaram. O barulho era eu

Respira fundo, tentando limpar da mente o cheiro a bebida barata e cigarros.

*************

 

Hmmm o prólogo é pequenino mas podemos ter uma ideia que a continuação promete desvendar todas as cinquenta sombras de Christian Grey.. Ansiosos pelo livro? Só sai em Outubro, mas aqui no blog vamos continuar a dar uma espreitadela nos próximos capítulos… Sigam tudo através do facebook!

As Cinquenta Sombras de Grey

Se gostam de ler, visitam livrarias, ou se pelo menos ouvem falar de livros, já sabem que “As cinquentas sombras de Grey” é a nova triologia que anda a dar que falar!!

Mas sabem porquê?

O livro promete aumentar substancialmente a libído dos leitores, nomeadamente o publico feminino, numa história de conteúdo sexual depravado e sadomasoquista.

Mas o que realmente podemos esperar do livro?

Bem, logo no inicio podemos perceber a semelhança das personagens principais, Anastasia Steele e Christian Grey com Bela Swan e Edward Cullen. Porquê?

Anastasia similarmente a Bela, tem uma auto-estima mediocre, embora seja bonita o suficiente para que todos os rapazes seus conhecidos sejam apaixonados por ela. Não se interessam por roupa ou futilidades, são ambas destrambelhadas e sem jeito para qualquer tipo de desporto, e parecem ter as hormonas avariadas até aparecer o “tal”.

No caso da Bela, considero perfeitamente normal, pois é uma jovem que anda no secundário, tem 17 anos… Ok, é raro mas ainda assim aceitaval…

Mas quem consegue chegar aos 21 anos completamente assexuada por qualquer tipo de relações, onde todos os homens até á data são inatrativos, não se masturba sequer, e depois transforma-se de um dia para o outro numa máquina sexual de orgasmos múltiplos, alguns sem contacto e até enquanto dorme? Será esta ideia minimamente racional? Bom, para mim não o é.

Já Christian, tal como Edward, é um homem influente, bonito, rico, atrativo que parece ter uma necessidade desproporcionada de proteger, tal como a necessidade de presentes caros (no caso, ambos têm o mesmo desejo de trocar as latas velhas das protagonistas, por carros de luxo vistosos). Ambos aproximam-se  da “rapariga” descrevendo-se como perigosos, sublinhando o cuidado que estas devem ter antes de se aproximarem demasiado.

As conversas românticas são ambas do mesmo género. Centram-se na pouca auto-estima de protagonista por se sentir inferior ao lado de um homem tão bonito, mesmo que o homem lhe diga mil vezes, que está interessado e fascinado também. Uma espécie de “ Eu gosto de ti” seguido de “Não! Eu é que gosto mais.”

Algures no livro As cinquenta sombras de Grey há uma frase extremamente semelhante á saga Twilight, nomeadamente ao livro “Lua Nova”, qualquer coisa como: “ A minha memória não fez justiça á sua beleza. Ele é ainda mais bonito do que aquilo que me lembrava. Demasiado óbvio?

Mas voltando então ás cinquenta sombras. Na verdade li a primeira metade do livro quase seguida, e com alguma rapidez (sinal de que estava a gostar).

O livro é sexy, chama a atenção, e pode até ter ideias apelativas. Mas qual o problema da segunda metade?

Na minha opinião, tudo se tornou demasiado repetitivo. “ Não mordas o lábio debaixo Anastasia”, “ Vou foder-te agora Anastasia”, “Quero passar o dia a fazer sexo contigo Anastasia”… E infelizmente descreve mesmo todas as vezes que eles têm sexo… Ok isto teve piada as primeiras vezes, mas talvez a partir da sexta vez, já não me sinta tão interessada em seguir a vida sexual deles tão de perto. É simplesmente chato!

Algo que me mete confusão foi a transformação de Anastasia num Elfo Doméstico! “Sim Harry Potter senhor, tudo o que Harry Potter mandar. Fico feliz por servir a Harry Potter”

A ideia geral que tive no inicio do livro era (pensava eu) que embora Grey não passasse de um sadomasoquista Dominador, Anastasia Steele usaria a virgindade como carta debaixo da manga, para conduzir Grey a  algo que este também nunca tivesse experimentado. Mas a minha previsão não foi em frente, e foi realmente quando o livro me começou a desiludir.

Nisto (foi a gota de água) Mr Grey afirma quando Anastasia propõe pagar-lhe o jantar: “Agora queres castrar-me Anastasia?”

Hmmmm este homem já foi sodominado por uma mulher que lhe metia objectos “vocês imaginam onde…” Parece-me muito mais castrador do que pagarem-lhe um jantar… Mas isto sou só eu a dizer…

Critíco ainda a falta de promenores descritivos das personagens, e de regra geral a história ser quase na integra debruçada neles os dois. É quase sempre cortada quando os dois não estão juntos o que torna tudo ainda mais cansativo… Nem consegui sentir saudades do Mr Grey!

O história em si despertou-me um interesse mediano. Quero ler o resto da triologia, mas admito que não estou tão entusiasmada como quando o comecei a ler! E vocês? Já leram este livro? O segundo sai já em Outubro, e claro, não vou deixar de o ler, para perceber se a autora ainda me dará ou não a volta…

Capitulo 9

Afinal há coisas que se aprendem na escola, que servem para alguma coisa…

Eram cerca das 6:30 da madrugada, quando o despertador do meu telemovel tocou. Apertei Artur contra mim, bastante consciente da presença dele ali no meu quarto. Tinha de o tirar rapidamente de casa, antes que a minha mãe acordasse.

Levei-o até á cozinha, atenta a todos os barulhos que pudessem vir do quarto minha mãe, mas tudo etava tranquilo. Esta ainda se encontrava a dormir.

Entramos na cozinha estremunhados. Havíamos dormido apenas um par de horas.

– Estou sempre á espera de ver a tua mãe a entrar pela cozinha – disse-me.

-Ela ainda está a dormir – adverti. Peguei num filtro, colocando-o na máquina de café e encetei um pacote de leite que coloquei em cima da bancada.

A máquina de café logo se fez ouvir, espirrando ruidosamente, aromatizando a cozinha com um odor a café fresco. De dentro de um armário retirei duas canecas que pousei no balcão, e retirei a cafeteira da máquina.

Fazia aquilo quase divertida, esquecendo-me por momentos da presença de Artur. Á quantos dias não acordava eu tão bem disposta?

Entreguei-lhe uma caneca de café particularmente cheia, e servi uma para mim. Apercebi-me tarde demais que a minha dizia em letras garrafais “I am a princess”. Tapei imediatamente com a mão, e dei um gole escondendo a cara, por detras da caneca.

O sabor forte do café fez-me sentir um pouco enjoada por isso dirigi-me á banca, despejando o resto, lavando com uma esponja a minha caneca.

Artut saiu detrás do balcão, abraçando-me pelas costas, afastando-me o cabelo para trás cm uma das mãos e beijando-me o pescoço. Fechei os olhos, concentrando-me na sensação, nas pontadas de prazer que sentia coluna abaixo.

Empurrei-o suavemente, virando-me ao seu encontro. – Vemo-nos na escola?

Ele acenou afirmativamente com a cabeça, fixando o olhar, roçando os lábios nos meus. Senti o estômago a contrair-se. Ele era tão bonito. Antes que o pudesse beijar, ouvimos um barulho vindo das escadas.

– Vai – disse, empurrando-o para a porta das traseiras que dava acesso ao jardim. Tranquei a porta mal ele saiu, e corri para a banca arrumando os vestigios do pequeno almoço a dois. Enxaguei a ceneca dele e estava a meter dois pratos na máquina de lavar quando a minha mãe entrou na cozinha.

– Levantaste-te cedo – comentou surpreendida. Vinha enrolada num robe cinzento.

– Dormi bem esta noite – menti. Não era uma mentira inteligente da minha parte. Podia sentir os olhos inchados, e sabia que a maquiagem estava borratada. Não tinha lavado a cara antes de dormir, nem me lembrara de tal coisa.

E para meu horror, notei pela primeira vez que estava com as roupas de ter saído á noite. A minha mãe, no entanto, não fez qualquer reparo, embora os lábios parecessem um pouco mais reprimidos. Pegou na cafeteira que ainda estava em cima do balcão e serviu-se de um pouco de café.

– Então, quando trazes o Ricardo cá a casa para estudarem juntos? – perguntou abruptamente.

– O Ricardo? – perguntei confusa. Passava a mão no pescoço, tendo ainda a sensação dormente dos beijos de Artur, quando a minha mãe fez a pergunta.

– Sim, tinhas dito que ele era capaz de passar por cá para te ajudar em matemática. Pensei que podia conhecê-lo.

Por que raio queria a minha mãe conhecer Ricardo? De que desconfiaria ela? No entanto com a cara borratada de maquilhagem e as roupas do dia anterior ainda vestidas decidi que não era altura certa para a questionar.

– Vou perguntar-lhe hoje quando o vir na escola – respondi inocentemente. – Bem vou-me arranjar – disse tentando sair o mais rapidamente  possivel da cozinha.

– Ao ver-te assim ás 7 horas da manhã, podia jurar que já estivesses arranjada – comentou friamente. Parei rigida, á porta da cozinha, voltando-me rapidamente num meio sorriso.

– Ontem adormeci vestida a ver televisão. Mas pelo menos dormi bem – voltei a inventar. Vi um pouco de cepticismo no olhar da minha mãe, mas nao teceu mais comentários. Aproveitei a deixa para fugir da cozinha, subindo escada acima.

Entrei no meu quarto. A cama estava feita, mas amassada, de termos dormido por cima das cobertas. Estendi-me ao comprido de barriga para baixo inspirando profundamente. O cheiro dele ainda estava ali.

Como seria bom, dormir toda a manhã com o nariz enterrado naquela almofada.

No entanto Artur tinha dito que nos veriamos na escola. Alegre com esse pensamento levantei-me logo a seguir energéticamente, e pela primeira vez em semanas, fui-me arranjar, não por rotina, mas por simples gosto.

 

***

 

Quando cheguei á escola faltava ainda alguns minutos para tocar.

Pela primeira vez em semanas o sol brilhava, embora o ar ainda fosse gélido. Aproveitando o dia de sol, levava umas calças de ganga coçadas com alguns rasgões e uns ténis brancos velhos que encontrara no fundo do armário. Naquele dia não ia haver dores nos pés por causa dos tacões.

Levava um gorro e um cachecol de lã cor de rosa por cima de um parka branco. Tinha apenas colocado um pouco de máscara nos olhos, e um brilho nos lábios. Não me lembrava de nenhum dia em que tivesse demorado dez minutos para me arranjar. Sentia-me leve e bem disposta apesar das poucas horas dormidas. A aula a seguir era psicologia, o que só aumentava o meu grau de boa disposição.

Entrei no corredor que levava ao meu cacifo. Estava quase vazio. A maioria dos alunos ainda não tinha chegado, e os que tinham encontravam-se lá fora a aproveitar o sol.

Será que Artur já tinha chegado á escola? Tivera tempo de ir a casa e voltar? Retirando os livros do meu cacifo, dirigi-me lentamente para a aula no andar superior. Não havia ainda alunos por ali. Faltavam cerca de dez minutos para o primeiro toque da manhã. Aproximei-me da sala onde ia ter aulas e encostei-me perto da porta á espera.

Reparei no entanto que a porta de sala se encontrava já entreaberta. Estava a pensar em entrar para poder pousar os livros na carteira quando ouvi vozes. Parecia estar alguém a discutir dentro da sala de aula.

Já me ia a afastar, não querendo ser apanhada como a intrometer-me na vida alheia, quando ouvi algo que me fez estacar. Podia destinguir perfeitamente a voz de Artur de dentro da sala. Não havia lugar para enganos. Tinha ouvido a voz dele a noite toda, estava certa que era a dele. Mas de quem era a outra voz?

Aproximei-me um pouco, estacando á ombreira da porta, escutando atentamente.

– Ontem podias ter pelo menos atendido – dizia uma voz. Reconheci após alguns segundos de concentração. Era a professora de psicologia. A sensação foi similar a receber um pequeno soco no estômago. Com o ventre a contrair-se esforcei-me ao máximo para escutar.

– Não podes mudar de ideias todos os dias – dizia a voz de Artur.

Abria-a os olhos o mais possivel como se pudesse ouvir por eles, sentindo um pequeno aperto no peito, reparando que estava a suster a respiração. Libertei o ar que me apertava os pulmões, voltando a dar toda a atenção á conversa.

– Não tem nada haver com mudar de ideias. Tu sabes que a situação é complicada, que tenho que ser discreta. Se faço é porque tem que ser.

Silêncio. – Eu sei que estiveste com ela ontem. Vejo no teu comportamento – continuou a voz.

– Tu podes viver como queres e eu não? – ouvi Artur responder.

– Não tem a ver com viver como quero – respondeu a voz exasperada. – Eu tenho aparências a manter. Eventos onde ir.. Mas não vamos falar disso aqui na escola…

A campainha tocou. Ainda estática á porta, ouvi movimentos dentro da sala. Podia ouvir uma pequena multidão de alunos subindo as escadas para o andar de cima.

Com a sensação de enferrujamento nas pernas fugi para uma casa de banho ali perto.

Olhei-me ao espelho. Estava completamente descontrolada. As minhas mãos tremiam de nervossismo, a cara estava pálida, e respirava ruidosamente, sentindo que todo o oxigénio do quarto não era suficiente para um unico folego.

– Calma, calma, calma – balbuciei a mim mesma, agarrada ás torneiras do lavatório. Nem sabia porque estava a reagir assim. Ainda nem tinha tido tempo para processar o que tinha ouvido. Sentia a cabeça num turbilhão de ideias. Havia tantos pensamentos a querer emergir ao mesmo tempo, que acabava por não pensar em nada. Sentia apenas um formigueiro latente por todo o corpo.

Tanto tempo com tudo sôb controle. Durante tantos dias mantivera tudo controlado. Parecia que no momento em que decidira baixar as minhas defesas, tudo saíra em catapulta. Mas eu sabia como me controlar. Tinha semanas de prática afinal.

Controlar, ter controlo, era o segredo para tudo.

Primeiro respirar. Inspirei e expirei fundo várias vezes, abri a torneira, sorvendo água, bochecando-a e cuspindo-a, como se limpasse algo pútrido vindo de dentro.

O que não daria por um banho quente naquele momento, mas aquilo era tudo o que tinha.

A respiração voltára ao normal. Tudo bem, passo seguinte, desfragmentar todas as ideias que ocorriam sobrepostas na minha mente.

O que tinha ouvido eu de especial afinal? Embora tivesse passado apenas alguns minutos, fiz um esforço atroz para me relembrar do que ouvira. O cérebro parecia preso, numa derradeira tentativa de me mantêr afastada de mais problemas.

Artur e a professora tratavam-se por tu. Ela falara algo de manter as aparências e… poderia ser? Tinha dito que sabia com quem Artur tinha estado durante a noite. Saberia mesmo? O que é que ele lhe contára?

Procurei na bolsa, remexendo tudo. Sabia que tinha alguns comigo. No inicio tinha tomado alguns. Ultimamente não voltara a presisar. Até já me tinha esquecido deles, mas sabia que tinham ficado presisamente na mala.

Encontrei por fim, uma embalagem amarrotada de Valium. Retirei um comprimido, ainda com as mãos tremer um pouco, e empurrei-o com alguma água da torneira. De cabeça para baixo esperei que surgisse o efeito.

Artur andaria mesmo com ela? Seria uma partida do meu cérebro? Parecia tão irreal… Veio-me é memória uma imagem mental da professora. O cabelo ondulado comprido, caía em cascata até ao fundo das costas. A pele morena e lisa, sem um unico contorno, sem uma unica imperfeição, brilhante e saudavel.

O nariz arrebitado, os lábios finos e elegantes. Toda ela inspirava elegancia, no seu porte, no seu andar, nos mais infimos gestos.

Eu e Susana eramos de longe as jovens mais bem vestidas da escola, talvez até da cidade. Mas não havia maneira possivel de fazer uma comparação á elegância matura e natural da professora. Custava a acreditar que pudesse andar com um aluno. Andaria mesmo? Com Artur?  E eu? Seria eu apenas uma substituta? Teria estado comigo naqueles dias apenas para esquecer os problemas dele? Para andar entertido?

Senti os primeiros sintomas do comprimido a fazerem efeito. Saí da casa de banho, com o gorro cor-de-rosa numa mão e os livros no outro braço, dirigindo-me para a aula, numa sonolência pesada, mas ao mesmo tempo com a cabeça nas nuvens.

Os pensamentos surgiam calmos e organizados, e podia ignorá-los se quissesse fixando o vazio.

Bati á porta da sala pedindo desculpa pelo atraso. Não olhei para ela, nem olhei para Artur. Dirigi-me de olhos baixos para uma carteira no fundo da sala.

Olhei finalmente para o quadro e para ela. Mais bonita do que me lembrava, brincando com uma caneta nas mãos. Não olhava para mim.

Senti uma fraca pontada no estomago. Teria sido forte, não fosse o comprimido.

Sentia-me agora vagamente inferior com os ténis e as calças rasgadas. Passei a mão penteando um pouco o cabelo, eriçado por causa do gorro. Pela primeira vez tomei atenção á aula. Não queria que me escapasse nenhum promenor.

– Como alunos de secundário, esta matéria não será ainda relevante, mas para os que ingressarem por um curso universitário nesta área serão com certeza confrontados várias vezes com esta matéria. Acho importante falar um pouco neste tema, porque pode ser util na adolescencia.. – rematava a professora. Reparei que não olhava para Artur. Este estava dois lugares á minha frente numa fila á minha direita.

– A máscara, vem da palavra latina “masca” que significa fantasma. Alguém quer tentar fazer a associação? O que significa para vocês a palavra máscara?

– É uma fantasia – respondeu alguém. – Um disfarce.

A professora abanou um pouca a cabeça, num gesto de indesição. – Sim e não – disse- Pode não ser um disfarce. Na antiga grécia por exemplo, a máscara era usada nos teatros para fazer realçar a personalidade de cada personagem. Os actores dispunham de diferentes máscaras, para que o publico pudesse compreender melhor a peça. Portanto aqui a função não seria esconder e sim tornar obvio. O que nos leva outra vez á pergunta, porque deriva então esta palavra de fantasma?

– Pode realçar ou esconder aquilo que nos é intimo. – Fora Artur a responder. A professora olhou durante os segundos para ele, mas de seguida desviou o olhar.

– Sim podemos ter esse pensamento em conta – continuou – A máscara pode ser usada sem que haja qualquer disfarce. O truque de ludibriar o que nos vai no espirito vai sendo melhorado á medida que crescemos e desenvolvemos. Quem sabe por exemplo o que significa o termo americano “ Poker face”?

Ninguém respondeu. – Jéssica já ouviste esta expressão?

Dei um pequeno salto na cadeira ao ouvir o meu nome. O formigueiro de nervos havia sido substituido por uma dormência subita nos membros inferiores. Sentia os olhos semicerrados, e a cabeça com um processador dez vezes abaixo que o normal.

– É uma música da Lady Gaga? – disse em voz alta o primeiro pensamento que me ocorreu. Todos se riram, mas a professora não.

– Também é – concordou ela – Mas qual é o significado dessa expressão?

Apetecia-me responder: “É o que tenho feito todas estas semanas”, mas respondi apenas: – Não sei!

Franzindo um pouco o nariz a professora continuou – O termo apareceu devido á falta de emoções presentes na cara dos profissionais de Poker durante as partidas. Para ser um bom profissional neste campo não lhes compete apenas saber jogar, mas também ludibriar todos os outros, acerca das verdadeiras emoções. Neste caso é mais um entorpecimento treinado, sendo que, não pretendem transmitir qualquer emoção. Mas os actores de televisão por exemplo conseguem transmitir-nos emoções muitas vezes pesadas que são completamente artificiais. Nem de longe é presiso hoje em dia, máscaras como as que os gregos usavam nos teatros, para perceber-mos um filme. Portanto é uma aquisição que muitos vão desenvolvendo, uns melhores que outros, durante séculos. Tal como tudo, podemos usar esta técnica com beneficios ou com maleficios. Ela dá no entanto muito jeito para entrevistas de trabalho por exemplo, entre outras coisas. Todos nós o acabamos por fazer. Aliás, um exemplo simples pode ser maquilhagem nas mulheres. Não passa de  uma máscara, uma barreira imposta que protege um pouco mais o intimo de cada uma, pode mascarar uma confiança que na realidade não está lá. E começa a ser obrigatoria em vários trabalhos também.

O tema continuou. Discutiam agora o mundo actual e a obrigação de todos usarem uma máscara e de ser impossivel viver se todos fossem sinceros, a trabalhar por exemplo na area de direito, ou como vendedor.

Alguém dava o exemplo de não se poder ser antipático para uma  hipotética tia que ainda nos aperta as bochechas quando já somos grandes, mas que contudo ainda tem permissão para o fazer porque a seguir a meia duzia de risos falsos, deposita uma nota nas mãos.

Os beneficios e os maleficios de esconder as emoções. Tudo aquilo parecia tão feio… No entanto, no momento a seguir senti-me completamente hipócrita. Não era isso que tinha vindo a fazer? E porque não continuar? Queria mesmo desafiar Artur para a conversa que tinha ouvido? Queria mais problemas somados ao remoinho que já era a minha cabeça? Valeria mais a pena afastar-me de tudo e agir como se nada tivesse acontecido?

Sorumbática, com os efeitos do Valium, perdi o interesse á aula, concentrando-me apenas no vazio, fixando o nada. Não olhei para Artur, não olhei para ela, e sobretudo não procurei por indicios de alguma relação entre os dois. Ali na aula, mais do que em qualquer sitio, parecia tudo mentira. Seria aquela a mesma manhã em que ele me beijara o pescoço enquanto eu lavava a loiça na banca? Seria possivel? Teria saltado para um universo paralelo?

Quando a campainha tocou saí disparada da sala sem olhar para trás. Pelo menos a decisão de levar ténis, valia-me em rapidez.

Ricardo esperava-me ao lado do meu cacifo. Levantou um pouco as sobrancelhas, com certeza surpreendido pela minha simples indumentária, mas não fez comentários e sorriu.

– Hoje estás pequenina – gracejou, fazendo-me uma festa na cabeça, como se eu fosse um animal de estimação.

Revirei os olhos um pouco mal disposta abrindo o cacifo.

Mas que raio, se estava na escola era para aprender alguma coisa ou não?

Respirando fundo e reunindo algo que não sei como especificar, substituí a cara aborrecida por o meu melhor sorriso: – As explicações a matemática podem ser  hoje? – perguntei-lhe, lembrando-me de súbito da minha mãe. – Ainda não comecei a fazer o novo trabalho que o professor nos marcou.

Ricardo por um segundo pareceu ficar radiante, mas esboçou apenas um pequeno sorriso. – Pode, queres estudar onde? Em minha casa?

“Outro a pôr a máscara” – pensei com alguma decepção. – “Que  mundo.”

– podemos ir para a minha e lanchavamos lá. Aparece depois do almoço está bem? – fechei o cacifo tirando os livros para a aula seguinte e encaminhei-me lá para fora.

– Está bem – ainda o ouvi dizer atrás de mim.

No exterior, dirigi-me a um grupo de rapazes e pedi um cigarro. Um deles perguntou se não queria ficar ali a conversar com eles, mas recusei, sentando-me num lugar mais sossegado. Passado uns segundos vi Susana a dirigir-se na minha direcção.

– Que estás a fazer? – perguntou olhando ameaçadoramente para o cigarro. – Sabes o que uma coisa dessas faz á pele?

– É só desta vez, prometo – tentei despachar.

– É só desta vez? – voltou a repetir – diz-me isso quando quiseres ir comprar écharpes para esconder o furo que te vão fazer na garganta para poderes respirar.

– Ok Susana, ganhaste – respondi atirando o cigarro ao chão. Quando ela queria sabia ganhar a dela. – Tens os deveres de português feitos? Acabei de me lembrar que não os cheguei a fazer.

Parecendo ainda mais mal disposta, Susana apressou-se a passar-me o caderno. Agradeci, começando a passar aleatóriamente alguns apontamentos.

Vi o olhar que ela lançou sobre ás minhas roupas mas milagrosamente não pareceu interessada em comentar. Será que a própria Susana afinal tinha mais tacto do que fazia querer? Outra máscara? Só mesmo Susana para usar uma máscara para ocultar qualidades.

– Pelo menos ouvi dizer que vais manter os deveres de matemática em dia – sorriu-me perversamente. Devia ser por isso que nem comentára as roupas. Olhei para ela irritada. A que raio de velocidade a informação passava ali?

– Ei, ouvi-o a dizer ao Dani que não podia ir hoje a um treino extra de futebol, para estar contigo- disse ela, encolhendo os ombros. – Falando neles…

Levantei a cabeça. Reconhecia Dani em qualquer lado, com aquele casaco vermelho,e mangas brancas em couro, á desportista americano. Só ele tinha um casaco daqueles. Vinha com Ricardo ao lado. Quando se aproximou, Dani pegou Susana ao colo, agarrando-a só com um braço á volta da cintura, fazendo-a soltar gritinhos estridentes. Ricardo sentou-se ao meu lado, tentando dar-me a mão. Deixei por uns momentos, até me desculpar com o copianço que estava a processar e voltar ao trabalho.

O efeito do comprimido ainda estava bem acente, pelo que demorei bastante a escrever apenas algumas frases, numa caligrafia torta. A campainha tocou. Ia ter aulas com Susana.

Vi Dani a pegar nela, levando-a ao ombro, enquanto ela se agitava. Ricardo fazia lembrar um cão perdido á espera de atenção, atrás de mim numa postura inquieta.

– Também queres que te leve aos ombros? – gracejou, fazendo de conta que ia pegar em mim, envolvendo-me a cintura com os braços fortes.

– Nem penses – ripostei, dando-lhe uma pequena cotovelada, forçando um sorriso.

– Explicava-te a lei da gravidade – continuou, fazendo-me subir alguns centimetros do chão sem esforço.

– Quero explicações a matemática, não a fisica – ripostei abanando os pés enquanto ele me pousava no chão.

Encaminha-mo nos os quatro para o pavilhão escolar, não antes que eu reparasse com uma certa pontada de mal estar, que Artur estava visivel na outra ponta do recinto.

O “segundo” texto sobre as gordinhas de Margarida Rebelo Pinto – O esplendor da carne

Na verdade este artigo é anterior ao tão badalado “as gordinhas” mas não causou tanto impacto ou indignação. Para ler o texto na integra clicar aqui !

Analisando o texto, poderemos talvez deduzir que o preconceito de Margarida com as gordinhas, está a nascer e a desabrochar por esta altura. O texto desta vez não puxa tanto ao insulto mas sim á confusão e perplexidade.

Talvez não passe de senso comum da minha parte, mas acredito que Margarida Rebelo Pinto após todos os esforços para proporcionar a si própria na integra o “magreza é beleza”, fique absolutamente extenuada de encontrar á sua volta, mulheres que sem qualquer tipo de complexo, destapam o corpo com naturalidade, para usufruir do direito geral de um bom dia de praia.

Ora naturalmente para alguém que não perceba o que significa viver sem complexos ou futilidades, veja com pudor, o “destapamento” do corpo nu imperfeito.

Margarida Rebelo Pinto está confusa… Ali está ela, na sua magreza ossuda, procurando perceber, porque é que estas “gordinhas” são felizes assim? Como é possível envergar um sorriso bem disposto, quando se enverga também uma boa pança? Bem, é exatamente aqui que nasce o problema…

O ser humano é unico, e não existe ninguém igual a ninguem… E o que faz feliz a um, longe está de fazer feliz  um outro!

Sim Margarida, é natural que não se sinta atraida por corpos gordos ou cheiinhos, mas o problema está no estado confuso da sua mente por outros gostarem ou não ligarem… Essa parte só diz respeito a cada um…

O “ser” gordo, não é um ser assexuado sem apetites ou falta de sexismo… É simplesmente  um tipo de sexualidade não popularizado nos media, ou na sociedade em geral, mas não quer dizer que não tenha seguidores e não seja considerado! Minha cara, a sua opinião tão própria sobre um assunto não pode ser minimamente considerada, pois todos pensamos diferente e nem toda a gente está obcecada por seguir padrões corporais alusivos a publicidades, revistas e moda.

Se falar de comida para si é desinteressante, tem que compreender que para muitas pessoas, muitos dos seus assuntos também o serão.

O segredo não está em olhar para gordinhos felizes e tentar compreender. O segredo está em aceitar a diferença! Nem toda a gente pensa igual, nem o mundo seria interessante assim.

A Margarida procurou o segredo para a felicidade dos gordinhos, sem por um único momento pensar como eles. Nunca os iria perceber, pensando com o tipo de mentalidade que pensa de si para consigo…

Tentar perceber os gordinhos sem êxito, foi o que a levou a um estado de ignorância. E é da ignorância que nasce a discriminação e o preconceito! Da próxima não tente perceber – simplesmente aceite!

Nota: Se gostaram deste texto, comentem, todo o feedback é bem vindo! Se gostaram do blog podem seguir tudo pelo facebook, basta pôr um gosto no canto superior direito da página. Obrigado por lerem!

Margarida Rebelo plagia… a si mesma? – Sim…

Em Outobro de 2005, João Pedro George decide expor no seu blog (esplanar@blog.pt), um texto que depressa foi manchete, e noticia no Jornal 24H.

Depois de uma leitura exaustiva das obras de Margarida Rebelo Pinto, João George afirma que a escritora mais popular de Portugal afinal copia-se a si própria.

Sim ouviram bem – a si própria. Margarida Rebelo Pinto repete as mesmas frases e expressões, livro após livro.

A escritora entrou com uma providência cautelar contra João Pedro George, mas as suas tentativas foram inúteis, e o livro “Couves e Alforrecas” de 64 páginas acabou mesmo por sair.

Que diz então João George sobre o assunto?

Ao que parece existem frases de tal maneira geniais que o melhor é cultivá-las em todos os livros… Passo a citar alguns dos exemplos:

«As crónicas da Margarida, página 143: «E, como diz António Lobo Antunes, quando um coração se fecha, faz muito mais barulho do que uma porta». Em Não Há Coincidências; página 242: «O António Lobo Antunes diz que o coração quando se fecha faz muito mais barulho do que uma porta». Em Artista de Circo, página 147: «Quando um coração se fecha faz muito mais barulho do que uma porta, diz o António Lobo Antunes». Em Não Há Coincidências, página 22: «Saio de casa ainda é noite cerrada. O portão abre-se silenciosamente, cúmplice nas minhas saídas madrugadoras e regressos tardios»; página 132, do mesmo livro: «Saio de casa ainda é noite cerrada. O portão abre-se silenciosamente, cúmplice nas minhas saídas madrugadoras e regressos tardios».

Serão as personagens dos seus livros tão fielmente parecidas que as mesmas frases, encaixam perfeitamente nos diferentes livros? Aparentemente sim!

João George afirma que as personagens de Margarida Rebelo Pinto são quase todas uma reminiscência, sendo que todas são giras, solteiras, na casa dos trinta anos, e com os mesmos objectivos de vida. Toda a caracterização de personagens que figurem estatutos sociais baixos, são pobremente descritos.

Mais ainda, após a publicação do artigo “as gordinhas” podemos perceber a arrelia de Margarida Rebelo Pinto pelas pessoas que sabem comer bem. Senão vejamos o seu modo de adjectivação:

«Expressões como «impotente como um peixe», «cara inchada que parece um bolo», «duas loiras bem cheias com cara de couve», «cara de ovo cozido», «fazia cara de pescada enjoada»

João Paulo George refere também os lugares preferidos de Margarida Rebelo Pinto, que acabam por se tornar um cliché de tal é a forma que são utilizados, tal como o Bairro Alto ou o Lux.

Apesar de tudo, Margarida Rebelo Pinto é a escritora que mais vende em Portugal, e os seus livros são traduzidos para várias outras línguas. No entanto parece perder um pouco de popularidade depois do desastroso e discriminatório artigo “As Gordinhas”. Mas será que com o tempo, o assunto será novamente esquecido? O seu próximo livro será tão vendido como todos os outros?

Esperamos para ver… E comentar!

Pretty Little Liars – A beleza é um bem superficial

Para quem vê a série e leu a minha revisão ao primeiro livro, provavelmente não vê grandes diferenças do livro para a serie. Na verdade o primeiro livro até é retratado quase que fielmente. Mas é neste segundo volume que as coisas começam a mudar ligeiramente.

Após a policia encontrar o corpo de Alison DiLaurentis no quintal traseiro da casa onde esta viveu, as quatro amigas juntam-se finalmente no funeral para uma ultima homenagem, e descobrem finalmente que “A” não ameaça unicamente uma delas, mas que todas recebem as mesmas ameaças. E todas elas têm segredos que apenas Alison conhecia. E parece que “A” já não consegue esperar para dar com a língua nos dentes.

Ora, embora tenham descobertos que são vitimas em comum, as quatro amigas mantêm-se distantes, cada uma sem querer revelar ás outras, qual a forma de chantagem que “A” utiliza para cada uma delas.

Spencer Hastings – Ser perfeita como a irmã torna-se cada vez mais difícil, agora que toda a familia descobriu o seu caso com o namorado de Melissa – Wren. Spencer está absolutamente sozinha na própria casa, onde parece que ninguém voltará a falar para ela… Mas talvez o castigo tenha sido demasiado, pois é assim que Spencer decide continuar a encontrar-se com Wren (e ao contrário do que vemos na serie, é com ele que acaba por ter relações).

Hanna Marin – Mona Vanderwall, a sua melhor amiga parece descontente com o distanciamento de Hanna. Esta no entanto tem como preocupação Sean, que parece achá-la uma leviana desesperada por sexo e acaba a relação, após Hanna tentar forçar o acto.Hanna está cada vez mais próxima dos seus actos bulimicos, mas nisto o pai reaparece na sua vida. Hanna torna a reencontrar-se com Kate (filha da namorada do pai), e decide dar-lhe uma segunda oportunidade de amizade.. Mal jogado Hanna…

Aria Montgomery-  Ezra encontra-se firme na decisão de andar com uma aluna, quando descobre no telemóvel de Aria que “A” sabe de caso. No entanto parece que Aria não consegue sofrer por um homem durante muito tempo, pois nisto aparece Sean, recém separado de Hanna. Aria desabafa com Sean o caos em que está a sua família, e como sabe que o pai tanto anos depois reatou com a antiga amante Meredith. Sean em troca conta-lhe um segredo seu: “Já não tem a certeza se quer permanecer virgem por muito mais tempo”.

Emily Fields – Parece demorar a perceber que é homossexual. Afasta-se de Maya, ignorando as suas vontades primárias. Após ser agredida por Ben (o seu ex-namorado que descobre o seu caso com Maya) é salva por Toby, o irmão de Jenna. Emily não se apercebe que Toby sabe de todo o envolvimento delas no caso Jenna, e acaba por a sair com ele, no desespero de não se sentir homossexual.

Mas parece que Toby só levou com as culpas da cegueira de Jenna, porque Alison também sabia um segredo seu. Um segredo que parece ser ainda mais repugnante do que cegar Jenna, pois Toby preferiu arcar com as culpas desse caso, do que enfrentar aquilo que Alison sabe. E não, Toby não é a boa pessoa que na serie acaba por se envolver com Spencer. Na verdade, Toby nem sequer chega terceiro livro… É ler para ver!

 

 

Já deram uma olhadela ao livro disponivél neste blog?

Para quem ainda não leu, Meltdown – Á beira do colapso, é um romance escrito por mim, disponibilizado por capítulos, todas as segundas-feiras.

Á beira do colapso é um romance para adolescentes e jovens adultos, que retrata a história de uma popular rapariga – Jéssica.

Jéssica é uma rapariga perfeita, com uma melhor amiga tão perfeita como ela, e namora com um dos rapazes mais bonitos da escola. Sempre foi boa aluna, popular, sendo até aspirante a modelo.

Mas a vida perfeita muitas vezes esconde os mais penosos segredos. Com um esforço sobrenatural, Jéssica esconde a todo o custo os eventos traumáticos pelos quais passou, embora as suas tentativas pareçam ser infrutíferas, e o seu comportamento pareça cada vez mais estranho e desesperado.

Com medo que a “sua história” manche para sempre a sua vida, e o modo como o qual todos olham para ela, Jéssica cai numa depressão nervosa, disfarçada por drogas psicotrópicas.

Devidida entre os seus amigos populares e fúteis que parecem não a entender de todo, Jéssica procura novas amizades, em grupos escolares com os quais nunca falou. No entanto os seus juizos são ainda confusos e desfragmentados, e Jéssica parece não perceber que as decisões que toma, não são as melhores para si.

Quantas pessoas não vivem com uma máscara invisivel, escondendo os mais profundos sentimentos, e sorrindo quando a vontade é bem diferente? E, até onde leva, esconder com tal afinco sentimentos perturbadores, sem qualquer tipo de ajuda e de apoio?

Um livro que vai de encontro a sentimentos adversos, que são no entanto a realidade em muitos casos